Translate

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Reciclagem de Metais




Os metais são 100% recicláveis, por exemplo, para fabricação de uma tonelada de alumínio são necessárias 5 toneladas de bauxita. A reciclagem de uma tonelada de sucata de alumínio economiza 5 toneladas de bauxita, um recurso natural não-renovável. A metalurgia e a reciclagem se confundem ao longo da História, pois as sucatas são geralmente as matérias-primas mais convenientes na fundição, não havendo também perdas de qualidade no processo.

Os metais são muito utilizados em equipamentos, estruturas, embalagens, etc. devido à sua elevada durabilidade, resistência e facilidade de conformação. 

Separam-se magneticamente as sucatas em ferrosas e não-ferrosas e ainda em:

  • Sucatas pesadas: geralmente encontradas nos "ferros-velhos" (vigas, equipamentos, chapas, grelhas etc.).
  • Sucatas de processo: cavacos, limalhas e rebarbas, além de peças defeituosas que voltam ao processo industrial.
  • Sucatas de obsolescência: materiais destinados ao lixo após o uso.

O cobre é muito utilizado para ligas: latão e bronze e revestimento de artefatos metálicos. O estanho é utilizado para revestir internamente latas de aço (folhas-de-flandres) no setor de embalagens, principalmente para alimentos, para evitar a corrosão pelo alimento. Crômio é utilizado para revestir latas e vários artefatos metálicos. O zinco e o níquel são utilizados também para revestir artefatos metálicos. Aço é uma liga de ferro com carvão e baixíssimas quantidades de outros metais (molibdênio, crômio, níquel, tungstênio, nióbio, etc). Dependendo deste outro metal, temos os diferentes tipos de aços.

Os metais são 100% recicláveis, por exemplo, para fabricação de uma tonelada de alumínio são necessárias 5 toneladas de bauxita. A reciclagem de uma tonelada de sucata de alumínio economiza 5 toneladas de bauxita, um recurso natural não-renovável.

As latas, tanto as de folhas-de-flandres quanto as de alumínio, são as principais sucatas metálicas desprezadas hoje em dia e que podem ser recuperadas em grandes quantidades pela coleta seletiva.

Cada tonelada de aço reciclado representa uma economia de 1.140 kg de minério de ferro, 154 kg de carvão e 18 kg de cal. Já na reciclagem do alumínio, a economia de energia é de 95% em relação ao processo primário, economizando a extração de 5 toneladas de bauxita (matéria prima para se fabricar o alumínio) por tonelada reciclada, sem contar toda a lama vermelha (resíduo da mineração) que é evitada.

Geralmente os metais ferrosos são direcionados para as usinas de fundição, onde a sucata é colocada em fornos elétricos ou a oxigênio, aquecidos a 1.550 graus centígrados. Após atingir o ponto de fusão e chegar ao estado líquido, o material é moldado em tarugos e placas metálicas, que sero cortados na forma de chapas de aço. A sucata demora somente um dia para ser reprocessada e transformada novamente em lâminas de aço usadas por vários setores industriais - das montadoras de automóveis às fábricas de latinhas em conserva.

O alumínio também é encaminhado para a fundição, obedecendo parâmetros específicos de processamento. O alumínio reciclado está presente na indústria de autopeças, na fabricação de novas embalagens, entre outros.

Pode-se concluir que os benefícios da reciclagem de metais são:

- economia de minérios;
- economia de energia;
- economia de água;
- aumento da vida útil dos lixões;
- diminuição das áreas degradadas pela extração do minério;
- diminuição da poluição;
- geração de empregos e recursos econômicos para os intermediários.

Fonte: ambientebrasil.com.br (reprodução)


quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Trilha alagada, no MS, ficou parecendo coisa de outro mundo




A trilha alagada, em Jardim/MS. Veja no vídeo abaixo...
Quem busca o Recanto Ecológico do Rio da Prata, na cidade de Jardim, em Mato Grosso do Sul, deseja, entre outras coisas, flutuar sob as águas cristalinas dos rios Olho D’Água e da Prata. Mas, no último dia 2 de fevereiro, a flutuação por lá acabou sendo inusitada: choveu tanto que toda a área, inclusive a da trilha que leva ao início do passeio num dia ‘normal’, ficou alagada. 

Com a trilha submersa pelas aguas cristalinas a paisagem ficou parecendo coisa de outro mundo. De acordo com a reserva, esse é um acontecimento raro, registrado três vezes na história recente – a última há mais ou menos três anos.

O Vídeo

Diante da repercussão do vídeo divulgado na última quinta-feira (15/02) na redes sociais no qual aparece uma trilha submersa (na região de Bonito/MS), gostaríamos de passar alguns esclarecimentos. O fato realmente aconteceu no Recanto Ecológico Rio da Prata (Jardim-MS) no dia 02 de fevereiro e foi registrado durante o monitoramento realizado pelo colaborador do passeio, Waldemilson Vera.

Quando chove muito, o rio da Prata corre de forma mais lenta, ocasionando seu represamento, aumentando assim o nível de água do rio Olho D'Água.

Apesar da cheia, no dia em que o vídeo foi gravado as águas do rio Olho D'Água continuaram cristalinas devido a sua mata ciliar conservada e por estar dentro de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural - RPPN, um tipo de Unidade de Conservação.

Este foi um episódio raro, e, ao final do dia, o rio já havia voltado ao seu nível normal.

Informamos que nesta data o passeio operou normalmente até o 1º trecho que, apesar de estar também com nível d'água acima do normal, todos os turistas saíram satisfeitos por terem vivenciado um dia diferente e especial no atrativo!


Fonte: Com informações de Recanto Ecológico Rio da Prata (facebook)


quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Motor Diesel vs Gasolina: qual poluí mais?




Os gases de escape são definidos por substancias solidas, liquidas ou gasosas que se combinam com o meio ambiente, alterando a composição natural do ar.

Os poluentes são substâncias libertadas pelo homem que prejudicam o meio ambiente de uma ou de outra forma. Podem classificar-se de acordo com vários critérios, por exemplos:


  • Altamente tóxicos: Substâncias que causam danos directos ao Homem animais ou plantas;
  • Tóxicos: Substâncias que causam danos quando em certas concentrações;
  • Perigosos: Substancias que são perigosas em apenas certas condições e concentrações;
  • Cancerígenos: Substâncias que causam cancro aquando contactos permanentes.


A maior parte das emissões ocorre durante a combustão do combustível e escapam-se para a atmosfera pelo sistema de escape. No entanto podem ocorrer emissões gasosas provenientes do cárter, devido à passagem de parte dos gases de combustão da câmara de combustão para o cárter e à evaporação dos lubrificantes.

Alguma quantidade de combustível evapora-se do depósito de combustível, dependendo da temperatura exterior.

EMISSÕES DE POLUENTES

Os poluentes incluem basicamente as seguintes substâncias:


  • Monóxido de carbono (CO): É uma toxina que ao ser inspirada, conduz à asfixia por falta de oxigenação das célula, tanto do Homem como nos animais mesmo em pequenas concentrações;
  • Óxidos de Azoto (NO, NO2): São toxinas perigosas quando inspiradas. Contribuem para as chuvas ácidas e juntamente com os hidrocarbonetos ao origem a produtos agressivos como por exemplo, Ozono (O3). Esta substância produz uma camada protectora contra os perigosos raios solares na atmosfera superior, mas no nosso meio ambiente imediato, actua como uma toxina das células.
  • Dióxido de Enxofre (SO2): É uma toxina perigosa quando inspirada. A sua proporção depende do petróleo em bruto utilizado na refinação para produzir o combustível.


Existem outros tipos de poluentes menos prejudiciais para a saúde que não iremos abordar.

MAIS EMISSÕES NOS MOTORES A GASOLINA OU NOS MOTORES A DIESEL?

Esta foi a principal razão de eu ter feito este artigo. A resposta é fácil, explicar-la é que se pode tornar mais complicado quando é assunto de discussão.

A gasolina utilizada nos motores é constituída quase exclusivamente por hidrocarbonetos. Devido aos diferentes graus de petróleo em bruto utilizado e dos aditivos sintéticos, contém também enxofre, chumbo ou outros compostos em pequenas percentagens. A gasolina é também muito volátil e evapora-se a temperaturas ambientes, como já tínhamos falado. O consumo de combustível nos carros a gasolina também é maior, logo irá original mais poluição.

Nos carros a diesel necessitam de mais ar para o seu funcionamento, do que os motores a gasolina. Este facto limita o valor da pressão efectiva mas por outro lado diminui a emissão de poluentes. Estes poluentes correspondem apenas - em média - a 5% dos ofensivos. Os restantes 95% são praticamente constituídos por dióxido de carbono, vapor de água, azoto e sulfatos. Para alem disso, hoje em dia os automóveis a diesel possuem sistemas de analise e tratamento de gases muito avançado que reduz em grande escala as emissões.

CONCLUSÃO

Sem margens para dúvidas que os carros a diesel são menos poluentes que os carros a gasolina. Cada vez mais se procuram soluções para combater as enormes emissões de gases que os carros provocam. Como os carros a diesel são mais procurados pelos condutores, a tecnologia aliada à necessidade de fazer carros amigos do ambiente torna os motores a diesel nisso mesmo.

Fonte: Quatro Tempos | Crédito/Imagem: Conserva tu Coche


terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Dia Mundial da Justiça Social




Reconhecendo a necessidade de promover os esforços para enfrentar questões como a pobreza, a exclusão e o desemprego, a Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu observar todos os anos, a 20 de Fevereiro, o Dia Mundial da Justiça Social. 

A data foi criada pela Organização das Nações Unidas – ONU, em 26 de novembro de 2007, sendo comemorada pela primeira vez em 2009. Ao designar o Dia Mundial, a Assembleia “reconhece a necessidade de consolidar os esforços da comunidade internacional no domínio da erradicação da pobreza e no que se refere a promover o pleno emprego e o trabalho digno, a igualdade de gênero e o acesso ao bem-estar social e à justiça para todos”. 

Esta data é de extrema importância para ajudar a fortalecer a luta contra a pobreza, exclusão, preconceito e desemprego, em busca do desenvolvimento social dos países. Alcançar a justiça social significa promover uma convivência pacífica e saudável entre as nações, eliminando barreiras do preconceito, seja por motivos de raça, etnia, religião, idade ou cultura, por exemplo.

“A justiça social é um princípio fundamental de coexistência pacífica e próspera entre as nações. Defendemos os princípios da justiça social quando promovemos a igualdade de gênero ou os direitos dos povos indígenas e dos migrantes.” - Ban Ki-moon, 8º secretário-geral da Organização das Nações Unidas.

O Dia Mundial da Justiça Social foi criado como um reforço para o estabelecimentos das metas propostas pela ONU na Cimera Mundial do Desenvolvimento Social, em 1995, Cúpula Social de Copenhagen e na Cúpula do Milênio, entre outros fóruns da Organização.

Para assegurar a estabilidade e a prosperidade mundiais, temos que garantir a todos um nível de vida aceitável e a igualdade de oportunidades. A ausência de justiça social para todos deveria constituir uma afronta a todos nós. Nesta primeira celebração, reiteremos nossa adesão aos princípios da justiça social e nosso empenho na procura enérgica de estratégias e políticas que permitam a sua concretização.

Entre as principais ações a serem atingidas com esta iniciativa está a eliminação da pobreza, o bem estar da população e o fim de qualquer tipo de descriminação dentro da sociedade. A cada Dia Mundial da Justiça Social, reforçamos nosso compromisso por um mundo mais justo e pleno de direitos.

Fonte: Com informações de: UNRIC, ONU BR e INESC


segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Brasil é o 8º do mundo em energia eólica



Brasil é o oitavo país do mundo em produção de energia eólica - O Brasil subiu uma posição, passando o Canadá, e agora ocupa o oitavo lugar no ranking mundial que afere a capacidade instalada de produção de energia eólica, segundo o Global Wind Statistic 2017, documento anual com dados mundiais de energia eólica produzido pelo Global Wind Energy Council (GWEC).


Em 2017, o país conseguiu “adicionar 52,57 GW de potência eólica à produção mundial, totalizando 539,58 GW de capacidade instalada”, informou hoje (15) a Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeolica), que reúne empresas do setor.

Em 2016, o Brasil ultrapassou a Itália no ranking e passou ocupar a 9ª posição. Atualmente, o país conta com 12,76 GW de capacidade de energia instalada, contra os 12,39 GW do Canadá. A China, ocupa a primeira posição, com 188,23 GW; seguida pelos Estados Unidos, com 89,07 GW, e a Alemanha, com 56,132 GW de capacidade instalada. A India, Espanha, o Reino Unido e a França completam o ranking dos sete primeiros.

Os números apontam para um crescimento da matriz de energia eólica no país. O segmento já é responsável por 8,3% da energia produzida no Brasil, percentual ainda distante dos 60,9% produzido pelas hidrelétricas, mas já próximo dos 9,3% da produção das usinas de biomassa, que ocupam o segundo posto no ranking nacional. Leia mais...


Fonte: Agência Brasil


domingo, 18 de fevereiro de 2018

Esclarecendo dúvidas sobre Filtros Solares




O que são filtros solares ?  

São substâncias que aplicadas sobre a pele protegem a mesma contra a ação dos raios ultra-violeta (UV) do sol. 

Os filtros solares podem ser químicos (absorvem os raios UV) ou físicos (refletem os raios UV). É comum a associação de filtros químicos e físicos para se obter um filtro solar de FPS mais alto. 

O que é FPS ?  

FPS significa Fator de Proteção Solar. Todo filtro solar tem um número que determina o seu FPS, que pode variar de 2 a 60 (até agora, nos produtos comercializados no Brasil). O FPS mede a proteção contra os raios UVB, responsáveis pela queimadura solar, mas não medem a proteção contra os raios UVA. 

O que significa o valor do FPS ?  

A pele, quando exposta ao sol sem proteção, leva um determinado tempo para ficar vermelha. Quando se usa um filtro solar com FPS 15, por exemplo, a mesma pele leva 15 vezes mais tempo para ficar vermelha. 

A partir do FPS 15 todos os filtros são iguais ?   

Não. Esta é uma idéia que foi divulgada de forma errada. O filtro solar com FPS 15 bloqueia a maior parte dos raios UV e o aumento do FPS aumenta pouco o bloqueio destes raios. No entanto, o tempo em que o filtro solar continuará a absorver os raios UV será maior quanto maior for o FPS, diminuindo a frequência da reaplicação. 

Como devo escolher o FPS do meu filtro solar?  

O filtro solar deve proteger a pele evitando o dano causado pela radiação solar. Se o filtro que você utiliza permite que sua pele fique vermelha após a exposição ao sol, isto é sinal de que a proteção não está sendo eficaz. Neste caso, você deve aumentar o FPS ou então reaplicar o filtro solar com um intervalo menor.

O fator mínimo para uma proteção adequada é o FPS 15, aplicando o filtro generosamente sempre 20 a 30 minutos antes de se expor ao sol e reaplicando a cada 2 horas. Entretanto, como o FPS é determinado em laboratórios, sob condições especiais, minha recomendação pessoal é dar uma margem de segurança, usando sempre um filtro solar com FPS igual ou maior que 25. 

"Oil free"? Hipoalergênico? Entenda seu filtro solar.

A linguagem utilizada nos rótulos dos filtros solares muitas vezes deixa o consumidor confuso na hora da compra. Aprenda abaixo o que significam os termos mais frequentes e escolha aqueles mais indicados ao seu tipo de pele:

  • Anti UVA e UVB: filtros que protegem contra os raios ultravioleta A e ultravioleta B.
  • Hipoalergênico: utiliza substâncias que geralmente não provocam alergias.
  • Livre de PABA ou "PABA Free": filtros que não contém a substância PABA, que tem alto poder de causar alergias.
  •  Livre de óleo ou "oil free": filtros cujos veículos não contém substâncias oleosas. São os mais indicados para pessoas de pele oleosa ou com tendência à formação de cravos e espinhas.
  • Não comedogênico: filtros que não obstruem os poros, evitando assim a formação de cravos. São também indicados para pessoas de pele oleosa e com tendência à formação de cravos e espinhas. 

Atenção: filtro solar que protege não deixa queimar. Se você usou o filtro solar e mesmo assim se queimou, ou usou um FPS menor do que deveria, ou não aplicou o filtro da forma correta.

Fonte: http://www.dermatologia.net/cat-a-pele/entenda-os-filtros-solares/


sábado, 17 de fevereiro de 2018

7 livros para ler em 2018




2018 já começou trazendo uma série de publicações para preencher todos os meses do ano... Acompanhando os principais lançamentos do mercado editorial para o ano, apresentamos uma seleção de sete ótimos livros. 

Há grandes apostas das editoras, novas edições revitalizadas e histórias que ganharam as telonas. Confira a lista a seguir, com os 7 melhores lançamentos para ler em 2018, e organize desde já suas próximas leituras!



Hit Makers: Como nascem as tendências, de Derek Thompson

Nada “viraliza”. Se você acha que um filme, música ou aplicativo popular apareceu do nada e virou um sucesso no mundo saturado de informações dos dias atuais, você não está prestando atenção. Cada sucesso de bilheteria tem uma história secreta – de poder, influência e cultos apaixonados – que transforma alguns produtos em fenômenos culturais.

Nessa investigação sem precedentes, o editor-sênior da The Atlantic, Derek Thompson, revela a psicologia por trás de por que gostamos do que gostamos e as dinâmicas econômicas do mercado cultural que molda nossas vidas. 

Thompson demonstra que a qualidade não é o suficiente para o sucesso, que ninguém tem “bom gosto” e que alguns dos produtos mais populares da história estavam a um passo de se tornarem desastres. Hit Makers é uma viagem pelo último século da cultura pop e a mais valiosa moeda do século XXI – a atenção das pessoas. Leia mais...




O Método TB12, de Tom Brady

Com método inovador que alia diferentes técnicas de treinamento, nutrição e o conceito de maleabilidade muscular, o astro da NFL Tom Brady (marido da modelo brasileira Gisele Bündchen) cria um programa que ajuda atletas profissionais e amadores a atingirem seus potenciais máximos dentro e fora do ambiente esportivo.

Seu Método TB12 é tanto um programa de treino quanto um estilo de vida que permitiu que Brady permanecesse no auge de sua carreira por tantos anos. Uma bíblia atlética — que inclui regras de hidratação, nutrição, exercícios de maleabilidade muscular e orientações para o repouso pleno do corpo — para aqueles comprometidos com uma vida saudável, sejam profissionais ou amadores, homens ou mulheres de qualquer idade que desejem permanecer vitalizados.

Com a proposta de revolucionar o antigo modelo esportivo e de condicionamento que as estatísticas vivem nos provando ser incompleto, Brady assume, com este livro, a missão de mostrar a técnicos, pais, treinadores, atletas e pessoas em busca de um um estilo mais saudável que o treinamento de maleabilidade permitirá que atinjam qualquer objetivo que estabeleçam para si mesmos. Leia mais...




O que o sol faz com as flores, de Rupi Kaur

O segundo livro da indiana Rupi Kaur é uma coletânea de poemas sobre crescimento e cura. Da mesma autora de outros jeitos de usar a boca, o que o sol faz com as flores é uma coletânea de poemas arrebatadores sobre crescimento e cura. 

Ancestralidade e honrar as raízes. Expatriação e o amadurecimento até encontrar um lar dentro de você. Organizado em cinco capítulos e ilustrado por Rupi Kaur, o livro percorre uma extraordinária jornada dividida em murchar, cair, enraizar, crescer, florescer. 

Uma celebração do amor em todas as suas formas. Essa é a receita da vida minha mãe disse me abraçando enquanto eu chorava pense nas flores que você planta a cada ano no jardim elas nos ensinam que as pessoas também murcham caem criam raiz crescem para florescer no final. Leia mais...



A vida sem crachá, de Claudia Giudice

Com nova arte de capa (ainda mais divertida) a edição de 2018 do livro “A vida sem crachá”, traz a história da jornalista Claudia Giudice, diretora de uma das maiores editoras do país. De como ela se reinventou após perder o emprego depois de 23 anos na mesma empresa.

No livro, Claudia divide com o leitor seus momentos de tragédia, comédia, medo e superação após a perda do emprego, mostrando que mesmo nos momentos mais difíceis é possível seguir em frente e recomeçar. 

Com bom humor, criatividade e uma dose de emoção, a autora conta os próprios altos e baixos e dá lições de recuperação e empreendedorismo úteis para todo mundo que já escolheu ou foi obrigado a mudar os planos no meio do caminho. Leia mais...



Mais escuro, de E.L. James

Depois de uma longa espera E. L. James revisita Cinquenta tons com um mergulho mais profundo e sombrio na história de amor que envolveu milhões de leitores em todo o mundo. O relacionamento quente e sensual de Anastasia Steele e Christian Grey chega ao fim com muitas acusações e sofrimento, mas Grey não consegue tirar Ana da cabeça. 

Determinado a reconquistá-la, ele tenta suprimir seus desejos mais obscuros e sua necessidade de controle absoluto, e disposto a amar Ana nos termos estabelecidos por ela.

Mas os horrores de sua infância ainda o assombram, e, como se não bastasse, o chefe manipulador de Ana, Jack Hyde, claramente a quer. Será que o terapeuta e confidente de Grey, Dr. Flynn, poderá ajudá-lo a enfrentar seus demônios? Ou será que a possessividade de Elena, sua sedutora, e a devoção perturbada de Leila, sua ex-submissa, vão arrastá-lo para o passado? E se Christian vai reconquistar Ana, será que um homem tão sombrio e cheio de problemas espera mesmo mantê-la? Leia mais...



Jogador Nº 1, de Ernest Cline

O ano é 2044 e, como o resto da humanidade, Wade Watts prefere mil vezes o jogo do OASIS do que o mundo real. Ele garante que esconde as peças de um puzzle diabólico cuja resolução leva à riqueza incalculável.

A chave para o quebra-cabeça são baseadas na cultura do final do século XX e, por anos, milhões de seres humanos têm tentado encontrá-los, sem sucesso. De repente, Wade consegue resolver o quebra-cabeça e ganha o prêmio, e, posteriormente, deve competir contra milhares de jogadores para conseguir o troféu.

A única maneira de sobreviver é ganhar, mas para isso terá que abandonar sua existência virtual e lidar com a vida e o amor no mundo real, que sempre tentou fugir. o futuro oitentista do livro Jogador Nº 1 chega em março aos cinemas com direção de Steven Spielberg. Leia mais...



A princesa salva a si mesma neste livro, de Amanda Lovelace

A princesa salva a si mesma neste livro, de Amanda Lovelace, é comparado ao fenômeno editorial Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur, com o qual compartilha a linguagem direta, em forma de poesia, e a temática contemporânea. É um livro sobre resiliência e, sobretudo, sobre a possibilidade de escrevermos nossos próprios finais felizes.

Não à toa, o livro ganhou o prêmio Goodreads Choice Award de melhor leitura do ano de 2016, escolha do público. Esta é uma obra sobre amor, perda, sofrimento, redenção, empoderamento e inspiração. Dividido em quatro partes (“A princesa”, “A donzela”, “A rainha” e “Você”), o livro combina o imaginário dos contos de fada à realidade feminina do século XXI com delicadeza, emoção e contundência. Leia mais...


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

A grande verdade da agropecuária global




A cientista, autora e ativista Vandana Shiva
Herbicidas - Pesticidas - Suicidas: A grande verdade da agropecuária global. Os comerciantes de sementes prosperam e os agricultores enfraquecem - Vandana Shiva disse a verdade... 

Os negócios agropecuários estão forçando agricultores do mundo inteiro a dedicarem-se à monocultura, muitas vezes usando safras híbridas, cujas sementes têm que ser compradas a cada ano. 

A monocultura destrói a biodiversidade e, enquanto aumenta o volume de determinada safra, no todo acaba diminuindo a produção de alimentos. Além disso, torna os agricultores dependentes de um processo de distribuição que força continuamente os preços dos produtos agrícolas para baixo, transferindo o lucro para os comerciantes de sementes, herbicidas e pesticidas. Os pesticidas, por sua vez, matam os insetos que polinizam as plantas nativas, aumentando ainda mais a relação de dependência que liga o agricultor à máquina global. 

Como se não bastasse, temos ainda a nova onda de "melhorias" tecnológicas, as safras geneticamente modificadas que, supostamente, deverão livrar o mundo da fome. Além da ameaça que essas safras representam para os ecossistemas e para a vida selvagem que os habita, elas já vêm patenteadas. No início, o lucro será elevado, mas o comerciante de sementes vai reter um direito permanente sobre as mesmas. 

As safras geneticamente modificadas vão seguir o padrão estabelecido pela agroindústria em toda a parte: rápida transferência da margem de lucro do agricultor para o fabricante das sementes e dos produtos químicos, expulsando gradativamente as pessoas da terra em que vivem. 

Vandana Shiva mostrou gráficos expressivos dos danos sociais e ecológicos causados pela indústria alimentícia global na Índia. No entanto, os mecanismos que ela identificou - tratados que permitem o dumping de excedentes, regulamentos de higiene que impõem a necessidade de processamento industrial dos alimentos, os quase monopólios e leis sobre patentes, os constantes e nefastos experimentos com sementes e produtos químicos - estão causando aos agricultores em outras partes do mundo os mesmos prejuízos como a seus colegas asiáticos e africanos. 

O bem mais importante de um país é sua agricultura. Nenhum acordo deveria ser assinado, por maior que sejam os benefícios pretendidos, quando o preço é a perda da agricultura nativa, sustentável e biodiversificada.
_____
Roger Scrutton
Fonte: Extraído de artigo publicado no Financial Times e na revista Resurgence, nº 203

Veja também o Pesticide Action Network, PAN no site http://www.pan-international.org/ (inglês, francês e espanhol)


quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Cigarro e Cirurgia Plástica




Especialista adverte: Fumo interfere na cicatrização - Certamente você já ouviu dizer que é preciso parar de fumar duas ou três semanas antes de se submeter a uma cirurgia plástica. A Médica Audrey Worthington, especialista em Cirurgia Plástica, recomenda aos pacientes que discutam o assunto com seus médicos antes de marcar o procedimento cirúrgico. “A paciente deve relatar corretamente seu histórico de tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas, uso de medicamentos, reações alérgicas e histórias de cicatrização difícil. Tudo tem que ser levado em conta para que o resultado seja o esperado.”

No caso do tabagismo, o risco é comprometer uma boa cicatrização pós-cirúrgica. “O paciente fumante corre mais riscos, pois a nicotina tem efeito vasoconstritor, que diminui o calibre dos vasos sangüíneos e restringe o aporte de sangue. Conseqüentemente, ocorre a diminuição do fornecimento de oxigênio para a ferida operatória, podendo causar necroses (morte do tecido) e infecções”, revela a Cirurgiã Plástica. 

Segundo Audrey, há trabalhos científicos mostrando que apenas a inalação da fumaça de um cigarro prejudica células formadoras de colágeno, os fibroblastos fundamentais para a cicatrização. “A fumaça contém substâncias como a acroleína e o acetaldeido que prejudicam a adesão entre as células”, explica. Quando há uma incisão (corte) ou qualquer traumatismo, todo o organismo se mobiliza para tentar resolver o problema por meio de um processo inflamatório. “Este processo é bom e necessário para uma adequada cura do tecido lesado. No entanto, o fumo inibe a migração das células que iniciam a inflamação, como os leucócitos, e isso dificulta ainda mais o processo cicatricial”, justifica.

O uso do tabaco também inibe a migração dos fibroblastos, que acabam ficando nas bordas da ferida e ela demora mais para fechar, além de aumentar as chances de uma cicatriz hipertrófica e até queloideana. O quelóide é uma espécie de tumor de cicatriz e ocorre quando há excesso da produção de fibras colágenas, o que dá aquele aspecto volumoso e endurecido, muitas vezes doloroso.

Pacientes fumantes têm maior predisposição à formação de pequenos coágulos que podem obstruir capilares e alterar a cura das feridas cirúrgicas. O fumo também afeta o sistema imunológico, diminui as defesas do organismo e ocasiona o envelhecimento precoce. Segundo a Dra. Audrey, todos esses fatores se somam durante uma cirurgia e devem ser levados em conta pelo paciente e seu cirurgião, já que interferem diretamente nos resultados e, principalmente, na saúde como um todo. Leia mais...

Autor: Clarice Pereira - Fonte: Universo da Mulher


quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Quarta-feira de Cinzas




A bênção e imposição das cinzas constituem uma prática penitencial muito antiga que remonta aos rituais de expiação executados pelos romanos e a práticas referidas no Antigo Testamento.

Através da cerimónia simbólica da imposição das cinzas, feitas a partir dos ramos de oliveira benzidos no Domingo de Ramos do ano anterior, a Igreja quer que reconheçamos a nossa condição de pecadores e que aceitemos humildemente a morte temporal como consequência do pecado. 

Os fiéis comprometem-se, na Eucaristia de Quarta-feira de Cinzas, a combater o pecado durante a Quaresma, através do jejum, da oração e da esmola. Inicia-se o processo de conversão e de preparação para a Páscoa do Senhor. 

"O gesto das cinzas lembra-nos a nossa condição original: fomos tirados da terra, somos feitos de pó".  ~Papa Francisco

Reflexão para o dia:

Podemos estar a levar os outros a não dar esmola. O leitor já viu que no cestinho do peditório da missa, normalmente, só há moedas? As pessoas só poderão dar uma moeda e, muitas vezes, pequena? Porque será? Porque todos fazem assim? Lá está, é o valor do exemplo. Como eu faço assim, o meu irmão também faz assim. Não diga «porque todos fazem assim, eu também faço». A responsabilidade não é do outro. É do leitor.

Veja também: Oração da Quarta-feira de Cinzas ✝ Para o início da Quaresma

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Terça-feira de Carnaval



Esta é uma celebração de data móvel, mas que é obrigatoriamente comemorada numa terça-feira.

Apesar de tradicionalmente esse ser um dia de folga, o Carnaval não é um feriado nacional. No Rio de Janeiro, sim, é feriado estadual, conforme Lei nº 5246, de 14 de maio de 2008.

A festa de Carnaval dura três dias, e sua data varia a cada ano, uma vez que ocorre sempre 47 dias antes da Páscoa.

No Carnaval, as pessoas se vestem de maneira diferente da habitual, com trajes mais divertidos e inusitados, e comemoram a data indo aos bailes e desfiles específicos da época.

O Brasil é mundialmente conhecido por essa comemoração, que é festejada em todo país, em especial nos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e São Paulo, que fazem grandes desfiles de fantasias com temas variados.

A cidade de Recife, nordeste do Brasil, também se destaca por ter o maior bloco de Carnaval do mundo, chamado "Galo da Madrugada".

História do Carnaval

Originalmente, o termo “carnaval” significa “adeus à carne” (carnis levale, em latim), pois representava, na Idade Média, uma época de festas populares que antecediam um período de grande jejum.

O Carnaval passou a ser adotado pela Igreja Católica como o marco inicial da Quaresma a partir de 590 d.C.

No Brasil, esta festa popular começou a ser comemorada em meados do século XVII, por influência dos europeus, que já festejavam muito antes, principalmente na França e na Itália.

Foi apenas no século XX que o Carnaval no Brasil se consolidou com o formato conhecido contemporaneamente. O samba e as marchinhas carnavalescas foram grandes impulsionadores desta festa popular entre os brasileiros.

Veja também: A verdadeira origem do carnaval - O Carnaval Pagão

Quando será o Carnaval nos próximos anos?

Como dito, o Carnaval é uma festa móvel e, por este motivo, todos os anos é comemorado numa data diferente. Para já ir se programando, saiba quais são as datas do Carnaval para os próximos 5 anos!

  • Carnaval 2019 - 5 de março de 2019
  • Carnaval 2020 - 25 de fevereiro de 2020
  • Carnaval 2021 - 16 de fevereiro de 2021
  • Carnaval 2022 - 1 de março de 2022
  • Carnaval 2023 - 21 de fevereiro

Fonte: https://www.calendarr.com/brasil/carnaval/

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Catuaba, a bebida do Carnaval, faz bem à saúde?




A catuaba selvagem se tornou a bebida favorita dos foliões durante o Carnaval, especialmente em Belo Horizonte. Poucos sabem, mas a versão original, produzida pela Arbor Brasil, é feita à base de vinho tinto, com suco de maçã, guaraná, marapuama e outros ingredientes, incluindo a própria planta, embiruçu, ou catuaba (Eriotheca candolleana). 


Seu teor alcoólico chega a 16%. Porém, apesar da aparência de bebida "à base de ervas" que não faz mal, ela pode causar problemas, especialmente se consumida em excesso. "Ela é uma bebida processada, com aditivos químicos e açúcar adicionado", diz a nutricionista Clarissa Fujiwara, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, em entrevista para o portal Bol.

A especialista lembra que pessoas que estão fazendo dieta devem evitar a catuaba. O rótulo não informa a quantidade de cada componente, mas o açúcar é um dos primeiros da lista, o que mostra ser o de maior volume na bebida "carnavalesca".

O sabor doce da catuaba, que, agora, possui outras versões, ainda mais apelativas para os foliões, pode levar ao consumo excessivo, gerando os efeitos negativos do álcool. Conforme a nutricionista, este componente é ainda mais calórico do que a proteína e o carboidrato, por exemplo. Na concentração de 14 gr de álcool a cada 100 ml, cada dose da bebida pode conter nada menos que 98 calorias.

Clarissa Fujiwara explica que não existem estudos mostrando supostos efeitos benéficos da planta catuaba para o organismo. Ainda assim, a bebida queridinha do Caranval pdoe causar um efeito vasodilatador, o que ajuda na hora da relação sexual, mas seu consumo além do limite pode gerar depressão no Sistema Nervoso Central. Com isso, a libido e a potência sexual caem drasticamente.

A especialista alerta ainda que, assim como as demais bebidas, a ingestão de álcool em excesso afeta o fígado, órgão responsável pela metabolização desta substância. Sobrecarregado, ele deixa de quebrar as moléculas do álcool – em média, um corpo de bebida alcoólica leva cerca de uma hora e meia para ser metabolizada. Além disso, o açúcar proveniente da catuaba não é aproveitado pelo organismo, o que pode causar hipoglicemia, já que o folião deixa de se alinentar corretamente, além de desidratação, pela falta de água. Em casos mais graves, pode surgir o coma alcóolico. Com o uso constante e exagerado de álcool, a lesão no fígado pode ocasionar a cirrose hepática, quando o órgão vai aos poucos deixando de funcionar.

Portanto, a nutricionista recomenda o consumo consciente da bebida "carnavalesca", aliada à ingestão adequada de água e de alimentos leves (ainda mais no calor).

Fonte: Portal Bol | A bebida queridinha do Carnaval: o que a catuaba faz no seu corpo? (reprodução)

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Carnaval: O Ministério da Saúde adverte, use camisinha!




Crédito: Rodrigo Nunes/MS
Ministério da Saúde alerta folião para o uso da camisinha no Carnaval - via Portal Saúde - Além da camisinha, a nova campanha aposta nas diversas formas de prevenção para evitar o HIV e promover a qualidade de vida de quem já vive com o vírus. Estão sendo distribuídos, gratuitamente, mais de 100 milhões de preservativos em todo o país.

Prevenir é Viver o Carnaval #VamosCombinar é o tema da Campanha de Prevenção do Carnaval 2018, lançada pelo Ministro da Saúde Ricardo Barros, nesta terça-feira (6), no Teatro Gregório de Matos, em Salvador. A campanha dá continuidade à lançada durante o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, em 1º de dezembro, e visa fortalecer às diversas formas de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis como o HIV/aids junto ao público jovem. Este ano, como novidade, serão utilizadas diferentes manifestações musicais de cada local, tais como o samba, axé, frevo, marchinhas e forró.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou o envio a todas as unidades da federação de mais de 100 milhões de preservativos para todo o país. “Esse quantitativo é relevante porque, como um dos motes da campanha é #vamoscombinar, queremos que os foliões não só da Bahia como de todo o Brasil, em conjunto com seus parceiros, se conscientizem da importância do uso de preservativos” explicou o ministro.  Para Barros, “campanhas como essa, que se estenderão por todo o ano em diversas festas populares ao longo de todo o ano, irão possibilitar ao país reduzir não só os números de HIV e aids, como também de outras infecções sexualmente transmissíveis”.

O lançamento teve a presença do embaixador da campanha, o cantor Léo Santana, e a apresentação do grupo Fit Dance e dos blocos Olodum e Ilê Aiyê. A campanha terá continuidade ao longo do ano de 2018, com ações nas principais festas populares do Brasil (São João, Parada LGBT, carnavais fora de época, eventos regionais).

As peças para TV, rádio e jornal, serão veiculadas entre esta terça-feira (06) até 02 de março para a população em geral. Além disso, haverá uma divulgação segmentada para públicos específicos em veículos de comunicação voltados a esses grupos, tais como sites, revistas e aplicativos dirigidos à população LGBT. Também serão distribuídos preservativos e folders em estradas de pedágio em Minas Gerais e Goiás. As ações de prevenção são realizadas nos carnavais de rua durante a passagem dos blocos e das escolas de samba em Salvador, Recife, Olinda, Belo Horizonte, Brasília, Ouro Preto, Diamantina (MG), João Pessoa, Rio de Janeiro e São Paulo.

Ao todo, em fevereiro, o Ministério da Saúde está distribuindo 106 milhões de preservativos masculinos, 200 mil femininos e 3,8 milhões de unidades de gel lubrificante para todo o Brasil.  Atualmente, 830 mil pessoas vivem com HIV/Aids no Brasil e, destas, 548 mil em tratamento. Durante as ações, também estão confirmadas a presença do homem e da mulher camisinha.

Cerca de 830 mil pessoas vivem com HIV/aids e aids no país. São 694 mil pessoas diagnosticadas, e 548 mil pessoas me tratamento. Estima-se que 136 mil pessoas ainda não sabem que estão com HIV e que 196 mil sabem que tem o HIV e não estão em tratamento.

De acordo com pesquisa do Ministério da Saúde, os jovens são os que menos usam preservativos, razão pela qual são foco da campanha. Dados da Pesquisa de Conhecimento, Atitudes e Práticas apontam queda no uso regular de camisinhas entre a faixa etária de 15 a 24 anos, tanto com parceiros eventuais – de 58,4% em 2004 para 56,6%, em 2013 – como com parceiros fixos – queda de 38,8% em 2004 para 34,2% em 2013.

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), realizada nas escolas de todo o país com adolescentes de 13 a 17 anos, reforça esse cenário: 35,6% dos alunos não usaram preservativos em sua primeira relação sexual. O mesmo estudo aponta que, quanto mais jovem, menor é o uso da camisinha. Enquanto 31,8% dos jovens de 16 e 17 anos não usaram preservativos em sua primeira relação sexual, esse índice sobe para mais de 40% entre os jovens de 13 a 15 anos.

O hábito de não usar camisinha tem impacto direto no aumento de casos de e aids entre os jovens. No Brasil, a epidemia avança na faixa etária de 20 a 24 anos, na qual a taxa de detecção subiu de 14,9 casos por 100 mil habitantes, em 2006, para 22,2 casos em 2016. Entre os jovens  de 15 a 19 anos, o índice aumentou, passando de 3,0 em 2006 para 5,4 em 2016.



Fonte: Portal Saúde | Ministério da Saúde (reprodução)

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Ivete Sangalo dá a luz a gêmeas




Em pleno sábado de carnaval, Ivete Sangalo deu à luz as gêmeas, de nomes ainda não revelados, em Salvador. Mais ou menos nesse horário, foi publicado no perfil da cantora no Instagram um vídeo em que ela aparece dançando axé na maternidade.

"E é com muita alegria que a mamãe mais feliz do mundo vai fazer o maior carnaval da sua vida na maternidade!!! Orem por nós! Deus comigo sempre. Amo vocês!", afirmou Ivete na rede social.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...