Translate

sábado, 21 de outubro de 2017

A Deficiência de Magnésio no Corpo Humano




Falta de Magnésio – Sintomas, Causa, Fontes e Dicas


Muitos não sabem, mas o magnésio é um mineral muito importante para o nosso organismo. Ele é o quarto mineral mais abundante no corpo e é fundamental para a saúde humana. Isso tudo se deve ao fato que ele está envolvido em mais de 300 processos metabólicos no nosso corpo. Entre eles, no transporte adequado de cálcio através das membranas celulares.

Ele é requerido por todas as células do corpo, até mesmo as do cérebro. É um dos minerais mais importantes (se não o mais importante) por conta do seu papel e funções essenciais como a síntese de proteínas, utilização de gorduras e caroidratos, produção de enzimas de desintoxicação específica e produção de energia relacionada à desintoxicação de células. A deficiência do magnésio pode afetar praticamente todo o sistema do corpo humano.

O magnésio é um mineral que luta contra certas doenças, como artrite, Alzheimer, problemas de pressão alta, diabetes, problemas respiratórios, entre outros. Além disso, a ingestão de magnésio fornece mais rigidez e flexibilidade aos ossos, aumenta a biodisponibilidade de cálcio, regula e normaliza a pressão arterial, previne e ajuda no combate de pedras nos rins, e por aí vai.

Sintomas da falta de magnésio

Muitos dos sintomas da falta de magnésio são silenciosos, fazendo com que se torne difícil descobrir sua deficiência. Além disso, em exames de rotina, os médicos e laboratórios de exame não incluem detalhes sobre a taxa de magnésio, e quando pedem exame de sangue, é quase impossível detectar essa condição, já que somente 1% de magnésio está presente no sangue, pois a maioria está presente nos ossos e órgãos.

Ou seja, mesmo com inúmeros exames de sangue, dificilmente os resultados determinarão o nível de magnésio no corpo. Por conta disso, a análise é baseada no estilo de vida do paciente.

Os primeiros sintomas envolvem cãibras ou dores musculares, dores no pé e espasmos, perda de apetite, náuseas, vômitos, fadiga e fraqueza.

E os sintomas mais avançados são:

- Tiques faciais;
- Insônia;
- Dores;
- Deficiência de Cálcio;
- Fraqueza;
- Tremores;
- Ansiedade;
- Pressão Alta;
- Diabetes;
- Problemas Respiratórios;
- Deficiência de Potássio;
- Perda de memória;
- Se sentir confuso;
- Convulsões;
- Alteração do humor;
- Dormência ou formigamento de alguma parte do corpo;
- Ritmos cardíacos anormais;
- Depressão;
- Asma;
- Vertigem;
- Dores de estômago;
- Perda de cabelo.

Outro sintoma muito comum da falta de magnésio é sentir sede mesmo após tomar muita água. A sede pode estar associada à falta de nutrientes e minerais, como o magnésio.

Em outras palavras, a carência de magnésio pode estar ligada a problemas de tireoide, problemas de metabolismo, problemas cardíacos, problemas musculares, problemas gastrointestinais, entre outros.

Vale lembrar, que caso você apresente sintomas dentre os listados acima, nem sempre implica na falta de magnésio. É necessário passar em consultas médicas e fazer exames detalhados para saber a causa de qualquer um deles. Além disso, cada pessoa sente um tipo de sintoma diferente, e você não irá sofrer todos eles.

Outro fato curioso é que descobriu-se em recentes estudos que a maior parte das pessoas não ingerem uma quantidade ideal diária de magnésio.


Causa da falta de magnésio

A principal causa de deficiência de magnésio nos dias de hoje é por conta da busca por alimentos rápidos e processados que incluem fast food e comidas industrializadas, além de açúcar, refrigerantes, bebidas com cafeína e até mesmo carne; com isso, esquecem de se alimentar com alimentos saudáveis, como frutas e legumes que são ricos em magnésio.

Bebidas alcoólicas podem interferir na absorção de vitamina D, que ajuda na absorção de magnésio, ou seja, um problema leva ao outro. Refrigerantes também podem atrapalhar na absorção adequada destes nutrientes.

Além disso, um fator interessante é que a falta de magnésio pode ser influenciada por alimentos que você está ingerindo e não o que você está deixando de ingerir. Um exemplo interessante é o açúcar, pois a cada molécula de açúcar ingerida, nosso corpo usa 54 moléculas de magnésio para processá-la, tornando o açúcar o pior vilão na deficiência de magnésio.

Outra razão que pode causar a carência de magnésio é o PH do interior do intestino, que pode afetar a capacidade da absorção do mineral. Quanto mais alcalino seu intestino, mais pobre é a capacidade de absorção de magnésio.

Acredita-se ainda que o magnésio está menos presente no solo nos dias atuais, devido ao uso constante de pesticidas e à poluição que afeta os campos. Os pesticidas também acabam matando bactérias e fungos que são necessários para que as plantas convertam nutrientes do solo em nutrientes que possam ser utilizados pelo ser humano.

Como repor o magnésio

A reposição para quem é diagnosticado com a falta de magnésio é considerada muito fácil, pois a quantidade requerida diariamente não é muita.

Muitos recorrem primeiramente a suplementos para a reposição do mineral no organismo, mas deve-se levar em consideração que fonte de alimentos são mais saudáveis e melhores para o corpo.

Os suplementos podem até dar um impulso, mas tente primeiramente repor a falta de magnésio com alimentos saudáveis. Além disso, o corpo absorve o mineral de forma diferente em alimentos e suplementos. É necessária a ingestão de suplementos em casos mais avançados ou sob prescrição médica.

Não ultrapasse o valor de 350 miligramas de magnésio por dia, a menos que seu médico prescreva essa quantidade ou mais, pois caso haja excesso na suplementação do mineral, o coração pode sofrer de arritmia, que pode ser fatal, principalmente em pessoas diabéticas.

É possível encontrar magnésio em alguns tipos de alimentos, como:

- Amêndoas;
- Abóbora,
- Sementes de abóbora;
- Sementes de Girassol;
- Sementes de Sésamo;
- Soja;
- Feijão preto;
- Castanha de Caju;
- Espinafre;
- Quiabo;
- Farelo de Aveia;
- Acelga;
- Arroz integral.

Outro ponto que não podemos esquecer é que é necessário o cálcio para melhor absorção do magnésio. No entanto, o cálcio e o magnésio precisam ser ingeridos de forma equilibrada, pois, se a ingestão for demasiada de cálcio, a ingestão de magnésio será dificultada.

Dicas

Tente incrementar suas receitas com alimentos ricos em magnésio, dessa forma, a ingestão será facilitada.

Uma outra dica diferenciada é comprar óleo de magnésio para passar no corpo, pois a absorção do mesmo é mais fácil através da pele do que internamente.


Recomendado para você

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Como é calculado o prêmio da Mega-Sena?



A Mega-Sena tem sido a maior modalidade lotérica do Brasil, sendo uma entre as dez modalidades atuais das loterias da Caixa (Caixa Econômica Federal), com sorteios ordinários duas vezes por semana, além da Mega-Sena da Virada e outras modalidades de prêmios, devido a baixa arrecadação de Mercado.

Cálculo do Prêmio

O valor arrecadado com o concurso da Mega-Sena não é totalmente revertido em prêmio para o ganhador. Parte do montante é repassada ao governo federal para investimentos nas áreas de saúde, educação, segurança, cultura e esporte.

Além disso, há despesas de custeio do concurso, imposto de renda e outros, que fazem com que o prêmio bruto corresponda a 46% da arrecadação. Dessa porcentagem:

35% são distribuídos entre os acertadores dos 6 números sorteados (sena);

19% entre os acertadores de 5 números (quina);

19% entre os acertadores de 4 números (quadra);

22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos 6 números nos concursos de final 0 ou 5.

5% ficam acumulado para a primeira faixa - sena - do último concurso do ano de final zero ou 5.

Não havendo acertador em qualquer faixa, o valor acumula para o concurso seguinte, na respectiva faixa de premiação.

Os prêmios prescrevem 90 dias após a data do sorteio. Após esse prazo, os valores são repassados ao Tesouro Nacional para aplicação no FIES - Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior.

Chances de acerto

A probabilidade de se ganhar na Mega-Sena, com um bilhete de 6 números, é de apenas uma em 50.063.860, o cálculo é da Caixa Econômica Federal, a responsável por grande parte das loterias no Brasil. 

A pessoa pode marcar no mínimo seis e no máximo 15 dezenas, sendo que o custo do jogo varia de acordo com essa quantidade. Para seis, a aposta sai por R$ 3,50. Já para sete, sai por R$ 24,50. Não é à toa: neste caso, a chance sobe para uma em 7.151.980. E assim por diante. A maior probabilidade, obviamente, aparece quando se joga 15 dezenas; aqui, a chance de acertar salta para uma em 10.003.

Recomendado para você

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Paracelso e sua ideia filosófica sobre a doença e a natureza




"Minha idéia filosófica consiste em considerar que a natureza é a própria doença e, portanto, é só ela quem sabe o que é a doença. Ela conhece a doença dos doentes e só ela é o remédio. Quem é o instrutor mais adequado, se não a própria natureza? A natureza possui o conhecimento de todas essas coisas e nos dá, da essência de todas as coisas uma imagem visível. A partir desta imagem visível, o médico recebe sua compreensão." -Paracelso

Recomendado para você

Tesouro arqueológico é encontrado no Paraná



Descoberta iniciou com achados de
um morador da região. Foto: Divulgação/É-Paraná
Após longo trabalho em uma caverna localizada na região de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), arqueólogos e pesquisadores descobriram um verdadeiro tesouro arqueológico, com objetos antigos e pinturas rupestres no local, que fica em uma área próxima aos principais mananciais de uma área preservada da Mata Atlântica.

A pesquisa teve início com base em achados de Claudemir Moreira, um dos moradores da região. “Me interessei por uma faca achada no local, mas havia também sapatos e outros itens que inicialmente não imaginei que pudessem ter valor histórico”, disse. A faca foi doada para o Museu Paranaense, dando início à investigação dos materiais.

A descoberta dos objetos ocorreu em um local de importância histórica, já que a caverna está situada em um ponto remoto da mata, no ramal de vias coloniais entre o Caminho do Itupava com o Caminho do Arraial. Os caminhos foram importantes vias usadas por povos primitivos que ocuparam o Interior do Paraná.

“São objetos relevantes que poderão montar a história da civilização do estado do Paraná, além de permitir estudos que podem revelar o encontro de povos primitivos do Litoral com outros que viveram no Interior do Estado”, disse a arqueóloga Claudia Parellada.


Descoberta iniciou com achados de 
um morador da região. Foto: Divulgação/É-Paraná
No meio da mata fechada, em uma reserva do patrimônio natural, está localizada a caverna onde foram encontradas as gravuras e pinturas rupestres, além dos artefatos que podem ser verdadeiros tesouros da arqueologia paranaense.

Entre os itens há ponteiras de aço, pedaços de calçados, vidros e cacos de louças que ainda não eram fabricados no Brasil. Por isso, os pesquisadores acreditam que algumas peças datam do período colonial do Brasil, mais precisamente de meados dos séculos XVIII e XIX.

Acredita-se que a caverna foi utilizada como abrigo por nativos ou exploradores. O próximo passo da investigação será o aprofundamento dos estudos, que fará uso da fotografia obtida por equipamentos usados por arqueólogos e pesquisadores.

“A análise dos materiais e a descoberta como um todo poderá dar uma resposta à sociedade paranaense e ajudar a preservar a rica memória do Estado”, conclui o arqueólogo Julio Thomaz.





Recomendado para você

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Alimentos que dão sensação de saciedade prolongada




Os três tipos de alimentos que ajudam a controlar o apetite
Keila Guimarães para a BBC Brasil

"A alimentação é mais do que a ingestão de nutrientes" - assim começa o primeiro capítulo do Guia Alimentar Para a População Brasileira, elaborado pelo Ministério da Saúde em parceira com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a USP.

Isso significa que uma alimentação saudável envolve, além da ingestão de determinados nutrientes, o modo como os alimentos são preparados, as diversas combinações entre eles e as características do modo de comer.

Ainda assim, a escolha de determinadas classes de alimentos pode ter impactos expressivos na redução do apetite. "Alguns alimentos promovem a sensação de saciedade prolongada e, com isso, favorecem o controle do apetite. Geralmente as fibras e os grãos, se utilizados de forma adequada, podem ajudar a moderar o apetite", afirma Denise Boia, nutricionista do Núcleo de Tratamento da Obesidade Mórbida (Nutom) do Hospital Badim, no Rio de Janeiro.

Com o crescimento dos índices de obesidade na população brasileira - entre 2006 e 2016, a doença cresceu 60% no país -, modular o apetite por meio da alimentação se tornou um grande aliado para a perda de peso e uma alternativa ao uso de medicamentos. Leia mais e veja a lista de alimentos...

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/geral-41436320

Recomendado para você

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Dia Mundial da Erradicação da Pobreza




O dia 17 de Outubro é, desde 2000, dedicado pelas Nações Unidas a promover a consciencialização sobre a necessidade de erradicar a pobreza e a miséria em todo o mundo.


No dia 17 de outubro de 1987, Joseph Wresinski convidou cem mil pessoas vindas de todos os horizontes para que se reunissem para celebrar o primeiro Dia Mundial para a Erradicação da Miséria na Praça dos Direitos Humanos e da Liberdade, no lugar onde fora assinada em 1948 a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em Paris.

O apelo gravado na Laje comemorativa inaugurada nesse dia sublinha a situação dramática em que se encontram aquelas e aqueles que vivem numa extrema pobreza e que sofrem com a fome e com a violência. Ele proclama que a extrema pobreza é uma violação dos direitos humanos e afirma que é necessário que todos se unam para que esses direitos sejam respeitados.

As pessoas que vivem na extrema pobreza agem para defender os direitos humanos. O Dia Mundial reconhece o seu empenho quotidiano para, conjuntamente com outras pessoas, fazerem respeitar a dignidade de cada um. Ao criar novas oportunidades de encontro (e de um encontro durável), o Dia Mundial revela a possibilidade de uma mudança e suscita novas responsabilidades a fim de erradicar a miséria.


Em 1992, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou o 17 de outubro como sendo o “Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza”[1]. Desde então, numerosos países, autarquias e municípios, membros da sociedade civil e do setor privado têm reconhecido a importância desse Dia, a tal ponto que atualmente o 17 de outubro é considerado como um ponto de encontro essencial para um número sempre crescente de cidadãos de todas as origens e de organizações de todo o tipo que se mobilizam para a erradicação da grande pobreza.

Em 2006, a Assembleia Geral das Nações Unidas recebeu o relatório do Secretário Geral das Nações Unidas sobre o Impacto da Celebração do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza [2]. Esse relatório reconhece a importância da participação efetiva das pessoas vivendo numa grande pobreza, nomeadamente no que diz respeito à eleboração de políticas ou de projetos contra a extrema pobreza, sua realização e sua avaliação. Ele identifica os meios necessários para promover a mobilização de todos na luta contra a extrema pobreza. Sublinha especialmente a necessidade de uma abordagem fundamentada nos direitos humanos.

Efetivamente, o Dia Mundial coloca os direitos humanos no centro do combate contra a miséria, afirmando assim a necessidade do seu reconhecimento, proteção e respeito da sua indivisibilidade.

Perante o reconhecimento crescente desse Dia Mundial, surgem a necessidade e a responsabilidade de uma atenção máxima para que a sua mensagem e o seu sentido profundos sejam respeitados e preservados, de acordo com os pontos de referência apresentados na Carta seguinte: 
[1] Resolução das Nações Unidas 47/146
[2] Relatório do Secretário Geral das Nações Unidas sobre o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza A/61/308

Recomendado para você

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Carta aberta de Augusto Cury à sociedade brasileira




Carta aberta do Psiquiatra, pensador e escritor Augusto Cury à sociedade, à educação em particular e à escola onde ocorreu a tragédia em Janaúba:

Augusto Cury / Reprodução: Face
“Um homem emocionalmente asfixiado, insensível e paranoico chega em uma creche com um galão de combustível nas mãos e um isqueiro. É a aproximação do inferno emocional em sua forma mais inumana. E quem se interpõe doando a própria vida para salvar as crianças? Uma professora, uma heroína anônima! Uma educadora que experimentou dores inenarráveis para salvar a vida de muitos pequeninos. 

Mas ela já fazia isso todos os dias antes da tragédia, dava sua vida pelos meninos, filhos dos outros, quando os ensinava a pensar! Para ela, a decisão de lutar com o assassino não foi difícil: a decisão já tinha sido tomada muitos anos antes, quando ela escolheu dar o melhor de si para formar seres humanos melhores, para dar esperança às crianças deste país que valorizam tão pouco seus mestres e seus alunos! 

Deveríamos aplaudir menos as celebridades e líderes e ovacionar muito mais os professores e professoras que pensam bem mais nos seus alunos do que no salário e nas condições estressantes de seu trabalho. Uma tarefa dificílima e de alto risco! Pois como debato no livro “O Homem Mais Feliz da História” a era digital transformou-se na era da ansiedade e ser mestre é ser um cozinheiro do conhecimento que prepara o alimento para uma plateia que tem pouquíssimo apetite! 

Muitos professores adoecem para que seus alunos tenham saúde emocional, adiam seus sonhos para que eles possam sonhar! Quem merece os prêmios Nobel, Oscar e Grammy? São os educadores! Muitos amam o que fazem até as últimas consequências! Mas passam imperceptíveis nessa sociedade onde um celular chama muito mais a atenção do que um mestre formado em décadas! Um computador jamais sentirá medos, solidão, angústias, dúvidas, por isso os educadores são insubstituíveis, somente eles poderão ensinar a viver!


Quanto tempo mais esses heróis e heroínas anônimos serão desprezados nesta falsa sociedade moderna? Quanto tempo mais esses governantes inescrupulosos vão se contentar em fazer discursos vazios no Dia do Professor? Até quando também pais insensíveis, em defesa de seus filhos sem limites, agitados e pouquíssimo empáticos desprezarão o trabalho e a autoridade dos professores? 

Quando esta nação vai acordar para a importância e para o sofrimento diário desses profissionais? É vital equipá-los socioemocionalmente, é fundamental ter uma educação menos conteudista, racionalista, que somente prepara os alunos para as provas, mas não para serem atores sociais, gestores de sua emoção, empreendedores e líderes de si mesmos! 

Pobre país que pensa que seu futuro está em máquinas e no capital e despreza seus alunos e seus mestres! Pobre país que não enxerga o assassinato coletivo da infância das crianças: elas têm tempo para tudo, menos para brincar, se reinventar e ter prazer de aprender! Não é sem razão que está havendo uma epidemia de transtornos ansiosos e suicídios! Pobre país em que uma professora precisa ser queimada viva para ser lembrada que era uma estrela no teatro social!

Pobre nação que não entende que quanto pior a qualidade da educação, mais importante será o papel da psiquiatria e da justiça! Ah, se acordássemos!!! Se investíssemos mais na educação e nos educadores veríamos fascinados que muitos de nossos presídios se tornariam museus e muitos hospitais psiquiátricos se converteriam em conservatórios musicais!

O Mundo está em chamas, e o Brasil está doente! ”


Recomendado para você

Obsolescência Programada




Programado para estragar - Projetar aparelhos com defeitos e peças pouco duráveis para que o consumidor tenha de comprar novamente. É a obsolescência programada, uma prática que nos leva a um beco sem saída
Compartilhado de El País

A frase foi publicada em 1928 na Printer’s Ink, revista do setor publicitário norte-americano: “Um artigo que não estraga é uma tragédia para os negócios.” Para que vender menos se você pode vender mais projetando produtos com um defeito incorporado? Por que não abandonar esse afã romântico de fabricar produtos bem feitos, consistentes, duradouros, e ser logo prático? Não será melhor para o business fazer com que o cliente tenha de abrir a carteira mais vezes?

Essa é história de uma ideia que ganhou força como salvação dinamizadora nos anos da Grande Depressão, transformou-se num mantra da sociedade de consumo – comprar, usar, jogar fora, voltar a comprar – e se tornou, já na atualidade, uma séria ameaça ao meio ambiente. É uma história escrita aos poucos, capítulo por capítulo. O último e mais importante deles é o destaque que a questão ganhou nos debates da Europa, sinal de que existe uma crescente conscientização: em 4 de julho, o Parlamento Europeu aprovou (por 622 votos a favor e 32 contra) o Relatório sobre Produtos com Uma Vida Útil Mais Longa: Vantagens para os Consumidores e as Empresas, pedindo que a Comissão Europeia adote medidas.

Não só isso. A França, país com a legislação mais dura da Europa contra a obsolescência programada, acaba de registrar a primeira denúncia de um coletivo de consumidores contra os fabricantes de impressoras. O fato ocorreu em 18 de setembro: a associação Halte à l' Obsolescence Programmée (HOP, Contra a Obsolescência Programada) acusou marcas como Epson, HP, Canon e Brother de práticas destinadas a reduzir deliberadamente a vida útil de impressoras e cartuchos.

O truque não é novo. Começou a ser usado no final do século XIX na indústria têxtil (quando os fabricantes começaram a utilizar mais amido e menos algodão) e se consolidou em 1924, quando General Electric, Osram e Phillips se reuniram na Suíça e decidiram limitar a vida útil das lâmpadas a 1.000 horas, tal como aponta o festejado documentário espanhol Comprar, Tirar, Comprar (“comprar, jogar fora, comprar”), de Cosima Dannoritzer. E assim foi assinado o atestado de óbito da durabilidade.

Até então, as lâmpadas duravam mais. Como a que brilha ininterruptamente desde 1901 na central dos Bombeiros de Livermore, na Califórnia. De filamento grosso e intensidade menor que a de suas sucessoras (o que impede o alto aquecimento), essa lâmpada foi concebida para perdurar. E continua lá, brilhando, mostrando que a obsolescência programada está longe de ser um mito. Leia mais...


Recomendado para você

domingo, 15 de outubro de 2017

15 de Outubro: Dia dos Professores



Hoje homenageamos a todas as pessoas que dedicam seu tempo a ensinar o outro. Pessoas que ensinam não somente fórmulas ou regras, mas que nos despertam para a vida, nos fazem sonhar e nos ajudam a tornar os sonhos realidade através do conhecimento que nos é transmitido. 

Somente com a educação teremos um futuro melhor para todos!

Dia 15 de outubro comemora-se o Dia do Professor, em todo o Brasil. Mas você sabe qual o motivo da comemoração nesta data específica? 

A resposta vem do Brasil Imperial. No dia 15 de outubro de 1827 (dia consagrado à educadora Santa Teresa de Ávila), Pedro I, Imperador do Brasil baixou um Decreto Imperial que criou o Ensino Elementar no Brasil. Pelo decreto, "todas as cidades, vilas e lugarejos tivessem suas escolas de primeiras letras". 

Esse decreto falava basicamente da descentralização do ensino, do salário dos professores, das matérias básicas que todos os alunos deveriam aprender e até sobre como os professores deveriam ser contratados.   

A primeira contribuição da Lei de 15 de outubro de 1827 foi a de determinar, no seu artigo 1º, que as Escolas de Primeiras Letras (hoje, ensino fundamental) deveriam ensinar, para os meninos, a leitura, a escrita, as quatro operações de cálculo e as noções mais gerais de geometria prática. Às meninas, sem qualquer embasamento pedagógico, estavam excluídas as noções de geometria. Aprenderiam, sim, as prendas (costurar, bordar, cozinhar, etc.) para a economia doméstica. 


Cento e vinte anos depois do decreto, em 1947, um professor paulista teve a ideia de transformar a data em feriado e iniciou a tradição de homenagear os professores no dia 15 de outubro, em referência ao decreto de D. Pedro I. A ideia surgiu porque o período letivo do segundo semestre escolar era muito longo, ia de 1 de junho a 15 de dezembro, com apenas dez dias de férias em todo o período. 

Cansados, literalmente, um pequeno grupo de quatro educadores, liderados por Samuel Becker, teve a ideia de organizar um dia de folga, para amenizar a estafa. O dia também serviria como uma data para se analisar os rumos do restante do ano letivo. Foi então que o professor Becker sugeriu que esse encontro acontecesse no dia 15 de outubro. 

A sugestão foi aceita e a comemoração teve presença maciça de professores e alunos, que levavam doces de casa, para uma pequena confraternização. O discurso do professor Becker, além de ratificar a idéia de se manter na data um encontro anual, ficou famoso pela frase "Professor é profissão. Educador é missão". 

A celebração, que se mostrou um sucesso, espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963. 

O Decreto definia a essência e razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia do Professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias".

Com informações de: SESP/SP

Recomendado para você

Como ensinar as crianças a não ter preconceitos?




Discriminação: como ensinar as crianças a não ter preconceitos?


As crianças assimilam preconceitos presenciados no dia a dia. Mesmo quando pequenas, possuem ideias preconcebidas sobre o outro, construídas de acordo com o que ouvem, veem na TV ou vivem em seu entorno. Esses pequenos preconceitos vão lentamente excluindo indivíduos e determinando grupos segregados daqueles que não se encaixam propriamente no padrão estabelecido.

Partindo de uma experiência realizada pelo psicólogo social Henri Tajfel há mais de 50 anos para estudar a origem do preconceito e da discriminação, uma professora do ensino fundamental, na cidade de Quebec, Canadá, fez um pequena experiência com os seus alunos de terceiro ano para tratar a discriminação e os seus efeitos.

A proposta foi dividir a sala em dois grupos: altos e baixos. Para fazer essa separação, argumentou que pesquisas recentes indicavam que as crianças baixas eram inteligentes, criativas, rápidas e sábias, enquanto que as altas o oposto. Algumas crianças estranharam e tentaram questionar a pesquisa: “as crianças pequenas serão grandes um dia e não é por isso que deixaram de ser inteligentes e as crianças grandes foram pequenas também um dia”.

Mas o quadro geral foi de uma divisão clara entre os baixos e os altos, principalmente porque a professora estimulava essa separação e chamava a atenção para situações em que, supostamente, confirmava as características dos altos e dos baixos. 


A partir daí, a discriminação começou ocorrer de forma muito rápida. Os sentimentos das crianças dos dois grupos, suas falas, suas fisionomias, as reações são impressionantes e podem ser acompanhados no vídeo reproduzido abaixo.

O clima que se estabelece na sala é notável. Desde crianças que estavam no grupo privilegiado se sentido bem devido à sua posição até aqueles que estavam muito tristes por seus amigos estarem no grupo discriminado e ainda acompanhar o olhar daqueles que sofriam o preconceito instalado. No dia seguinte, como planejado pela professora, a situação se inverte, mas os resultados não são exatamente os esperados…

As crianças visivelmente aprendem muitas coisas, principalmente sobre os sentimentos daqueles que são discriminados, mas se isso se perpetua e se reflete em outras instâncias de suas vidas não é possível ter claro. A experiência traz mais perguntas do que respostas.

De qualquer forma, uma coisa fica clara a todos e se traduz nas palavras de um aluno discriminado antes da experiência por estar acima do peso: “a discriminação não serve para nada, só para fazer as pessoas chorarem e ficarem com raiva”.

Vale a pena ver o vídeo e pensar como se dá a construção da identidade social e como estamos tratando isso com nossas crianças:


Fonte: EBC | Toda Criança Pode Aprender

Recomendado para você

sábado, 14 de outubro de 2017

Oro Orum - aplicativo para denunciar violência contra praticantes de religiões de Matriz Africana




Aplicativo recebe denúncias de violência contra praticantes de religiões afro - Serviço é gratuito e já está disponível para download na Google Play

Cansado de ouvir comentários ofensivos e relatos de violência contra praticantes de religiões afro, Léo Akin Olakunde, um candomblecista do Rio de Janeiro se juntou a um amigo e à namorada para criar o aplicativo Oro Orum - Axé eu respeito. A ferramenta recebe denúncias de intolerância religiosa e tem até um botão de SOS para as vítimas. O serviço é gratuito e já está disponível para download em celulares com sistema operacional Android.

O estado do Rio de Janeiro vem registrando um número recorde de ataques a casas de umbanda e candomblé. Somente nos últimos dois meses, 32 casos foram registrados pelo Disque Combate ao Preconceito, um serviço do governo estadual, sendo oito notificados em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense – município com a maior concentração de terreiros. Em dois desses casos, criminosos, supostamente cristãos neopetencostais, aparecem em vídeos ameaçando sacerdotes de religiões afro-brasileiras e obrigando-os a destruir peças religiosas.

Diante dos ataques, que acontecem em sua maioria na periferia, Léo Akin Olakunde, decidiu criar o aplicativo para facilitar as denúncias e organizar um banco de dados. No Oro Orum- Axé eu respeito, o usuário encontra informações sobre direitos e leis que garantem a liberdade religiosa no país, o combate à discriminação, além do formulário de denúncia. O denunciante também recebe orientação para procurar a Polícia Civil e a Defensoria Pública do Estado. Leia mais...

Fonte: EBC | Agência Brasil

Recomendado para você 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

A superstição da Sexta-feira 13



Como surgiu a superstição da sexta-feira 13? É sexta-feira 13, o dia mais amaldiçoado do calendário, supostamente quando tudo pode dar errado. Mas de onde surgiu a ideia de que coisas ruins acontecem nesta data?
Compartilahdo de BBC Brasil

Sexta-feira e o número 13 já eram associados ao azar por si só, segundo Steve Roud, autor do guia da editora Penguin Superstições da Grã-Bretanha e Irlanda. "Porque sexta-feira foi o dia da crucificação (de Jesus Cristo), as sextas-feiras sempre foram vistas como um dia de penitência e abstinência", diz ele. "A crença religiosa virou uma aversão generalizada por começar algo ou fazer qualquer coisa importante em uma sexta-feira".

Por volta de 1690, começou a circular uma lenda urbana dizendo que ter 13 pessoas em um grupo ou em torno de uma mesa dava azar, explica Roud. As teorias por trás da associação de azar com o número 13 incluem o número de pessoas presentes na Última Ceia e o número de bruxas em um clã.

Até que esses dois elementos - a sexta-feira e o número 13 - que já causavam receio isoladamente acabaram se unindo em um momento da história. Por ironia do destino, um grupo que surgiu para ridicularizar superstições acabou consagrando a data.

Em 1907, um livro chamado Sexta-feira 13 foi publicado pelo corretor de ações Thomas Lawson - essa foi a inspiração para a mitologia em torno da data, culminando na franquia de filmes homônima nos anos 1980. O livro conta a história sombria de um corretor de Wall Street que manipula o valor de ações para se vingar de seus inimigos, deixando-os na miséria.

Para isso, ele tira proveito da tensão natural causada pela data no mercado financeiro. "Cada homem na bolsa de valores está de olho nessa data. Sexta-feira, 13, quebraria o melhor pregão em andamento", diz um dos personagens. Como se vê, em 1907, a sexta-feira 13 já era uma superstição socialmente estabelecida. Leia mais...

Recomendado para você

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Descoberto anel em planetoide vizinho a Plutão



Astrônomos brasileiros descobrem anel em planeta anão vizinho de Plutão

Trabalhando em conjunto com uma equipe internacional, um grupo de astrônomos brasileiros descobriu a existência de um anel, similar aos do gigante Saturno, em um planeta anão vizinho de Plutão. A descoberta foi publicada na revista científica Nature. O anel circunda Haumea, um dos planetas anões próximos a Plutão, localizado no que os astrônomos chamam de Cinturão de Kuiper.

Situado após a órbita de Netuno, o cinturão é composto por objetos de gelo e rochas entre os quais se destacam quatro planetas anões: Plutão, Eris, Makemake e Haumea. Esses objetos são difíceis de estudar porque são pequenos, brilham pouco e, devido às enormes distâcias, são difíceis de detectar mesmo com telescópios potentes.

Na imagem abaixo é possível observar o planeta anão Haumea ao centro, Plutão à direita e o pequeno corpo celeste que também tem anel Chariklo à esquerda:

O planeta anão Haumea ao centro, Plutão à direita e a lua de Haumea, Chariklo à esquerda

A descoberta resultou de um trabalho conjunto liderado pelo astrônomo espanhol Jose Luis Ortiz, do Instituto de Astrofísica de Andaluzia (IAA-CSIC), e contou com a participação de astrônomos e alunos brasileiros do Observatório Nacional, ligado ao Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), do Observatório do Valongo, ligado a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Tecnológica Federal do Parana (UFTPR), filiados ao Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia (LIneA). Leia a matéria na íntegra...

Fonte: Agência Brasil




Recomendado para você

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Hitler era usuário de drogas, revela livro




Hitler tomou decisões sob efeito de cocaína, diz autor de livro sobre drogas na Alemanha nazista
via BBC Brasil


O líder nazista, Adolf Hitler, usava drogas como cocaína, heroína, metanfetamina e morfina, segundo Norman Ohler, autor do livro sobre o abuso de estimulantes no Terceiro Reich.

No início, o Fuhrer injetava vitaminas para se sentir mais disposto, passando para esteroides e hormônios para curar doenças, até chegar ao uso de cocaína e um derivado de heroína. Segundo Ohler, algumas decisões foram tomadas quando o líder nazista estava sob efeito da cocaína.

"Hitler usava drogas para manter as convicções que ele criou quando já estava sob efeito de drogas. Chegou a um ponto de evasão da realidade que suas ilusões de tomar o mundo inteiro foram escancaradas e mostradas como eram, meras ilusões completamente fora da realidade", disse Ohler à BBC.

O livro de Ohler, Blitzed, foi publicado no ano passado na Alemanha, onde virou best-seller, e já foi traduzido para 18 idiomas. As descobertas de Ohler se baseiam em arquivos históricos encontrados por ele em Berlim, sobretudo diários do médico pessoal de Hitler, Theodor Morell. Ian Kershaw, historiador britânico considerado uma das maiores autoridades em Alemanha Nazista, elogiou o livro. Leia mais...

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/internacional-37619064

Recomendado para você

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...